Este é o Sabor do Pagode !

Quem não foi no Carpe Diem na época de ouro, onde ovos voavam do prédio em frente ao bar, ou então no Merlin, ahhh o Merlim, onde foi imortalizada a "Dança do Machiche", pois é, quem frequentou lugares como estes sabe muito bem o que é a filosofia Sabor do Pagode. E olha que não foram poucos os lugares em que esta filosofia esteve presente, nós já enganamos em vários lugares, desde um mocó de um bicheiro pra lá do Reggae Night até Assuncion no Paraguai. Nenhum grupo nunca enganou tão bem, somo profisionais neste quesito.

O Sabor do Pagode na verdade ninguém sabe como começou, o que se sabe é que alguns doidos como João Pescoçinho de ouro, Aranha da Folha, Cimino da Clarineta entre outros comecaram a se reunir em uma padaria da rua Tutoia para ver se conseguiam fazer uma batucada. Aos poucos o grupo foi se fortalecendo, e hoje é este fenômeno de audiência e venda de cd´s que o Brasil todo conhece, completando seu 11 aniversario em 2003.

Em onze anos fomos padrinhos de muitos sambistas hoje famosos como Mario Sérgio e o grupo Fundo de Quintal, Negritude, Sem Compromisso e dos Lobisomens do Samba (um pequeno grupo familiar do México, amigos do Gugu Liberato), estes astros devem todo o seu sucesso ao grupo Sabor do Pagode, que ensinou-lhes todo o "beabá", desde aquele famoso jeitinho de tocar pandeiro do 1, 2, 3 ,,,, 1, 2, 3,,,, até composições consagradas de Mauricinho Boca Fina. Se não fosse o Sabor do Pagode para trazer para os jardins sucessos como "Seja sambista também" (descoberto pelo Nando em um de seus furtos de fita cassete da casa de André, o mais bonito do grupo), ou então "Aquela Boca sem dente que eu Beijava", provavelmente ninguém teria acesso, e hoje não seriam tão famosas nos diversos pagodes espalhados pela Faria Lima e região.

Mas nem tudo é alegria, neste tempo todo já passamos por diversas situações adversas, lidamos com botequeiros, fechamos bares na porrada, voltamos do Reggae Night no teto do carro pelados, catamos mulheres horrendas, tocamos e não recebemos, bebemos cerveja sem gelo, pulamos fogueira pelados, presenciamos a troca do sapato encantado, jogamos tamanco em parentes, tocamos para "ninguéééémmmm", mas mesmo assim, nós adoramos este sofrimento. É impressionante, depois vocês vão poder ver na seção de histórias, quantas bizarrices já nos aconteceram, mas nunca abandonamos este amor pela presepada.

A verdade é uma só, não somos um grupo, somos uma comunidade, uma comunidade que gosta de beber, dar risada,
entrar em roubada, mas principalmente tocar samba. O Samba é algo inexplicável pois em todos estes anos tocamos praticamente as mesmas músicas, no mesmo ritmo, mas a cada vez que começamos, arrepia todo mundo que está junto conosco. Dá pra ver nos olhos da galera que aquilo é algo diferente do que tem por aí. Jamais seremos músicos de verdade, nem queremos, jamais iremos gravar um CD, jamais iremos vestir roupas com purpurina para andar de Corvete, mas só quem é da comunidade sabe, o quanto é bom chegar o domingão e ouvir um batuque naquele ritmo alucinante, e aquelas vozes roucas e desafinadas.

O Sabor do Pagode neste site mostra o que realmente pensamos do nosso grupo, ou da nossa comunidade. Nunca fomos formados por 8 integrantes, e sim por diversos, pessoas que desde a primeira batida no pandeiro estiveram consoco, em lugares cheios e vazios, e para todas estas pessoas que este site foi feito, para os sócios patrimoniais do Sabor do Pagode.

Sejam bem vindos e até domingo.

Sabor do Pagode